Terapia de Casal em Porto Alegre

MUITOS CASAIS COM O PASSAR DO TEMPO SE QUESTIONAM SOBRE O QUE SENTEM UM PELO OUTRO:

Frequentemente, quando um dos cônjuges percebe frieza, solidão e/ou ausência de afeto, a separação passa a ser pensada como forma de solução. Então, surgem propostas de resgatar o amor, não o velho amor, mas o amor maduro.
O amor maduro independe da idade cronológica, mas da maturidade do ser e da arte de viver a dois.

Ressignificando o amor, o casal se redescobre, se reinventa rabiscando um novo desenho projetado a dois, onde a flexibilidade, o bom humor, a sexualidade e a criatividade serão essenciais para o fortalecimento e implementação desse novo e leve modo de viver. Em meio a essa construção, cabem sim, pinceladas de paixão!

Dra. Márcia Pettenon

Psicóloga da Família Especialista em Terapia de Casal em Porto Alegre
Doutora em Ciências da Saúde na Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA).
Mestra em Ciências Médicas: Psiquiatria, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Especialista em Psicoterapia Individual, Familiar e de Casais – Abordagem Sistêmico-Integrativa (ASI), pelo Instituto da Família de Porto Alegre (INFAPA)
Professional Coach of Life Coaching – The European Mentoring & Coaching Council (EMCC), The International Association of Coaching (IAC) and Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC).
Especialista em Psicoterapia e Transtorno de Adição, pelo Instituto Cyro Martins.
Psicóloga graduada pela Universidade Luterana do Brasil (ULBRA).

Minha linha de pesquisa:

Vínculos familiares e afetividade do casal

Bases e metodologia de trabalho

A intersecção entre a ciência e a prática clínica, visando a busca por excelência, tem me demonstrado gratificantes resultados. Embora as verdades científicas estejam em movimento (daí o propósito e prazer de seguir investigando), existem diversas evidências que se reapresentam a cada geração, sobre os elementos essenciais para a satisfação do individuo (parte) com seu contexto (todo). Ao entender que somos parte integrante de vários contextos (físico, emocional e espiritual) e ao mesmo tempo somos únicos de essência, necessitamos de um método que abarque todas essas facetas, minha linha de atuação (Terapia Familiar Sistêmica-Integrativa) atende a esse propósito.

Veja os depoimentos de alguns pacientes

FAQ - Perguntas Frequentes

– Porque alguns problemas identificados por um membro familiar envolvem também questões familiares e demandam mudanças de atitudes em outros integrantes da família.
– Quando existem problemas na relação do casal, a responsabilidade pela solução desses problemas não cabe apenas a um dos cônjuges. Tratar somente as consequências não eliminará as origens dos conflitos

– Sim, desde de que o profissional seja especialista em tratamento de família e de casal.

– Geralmente vem à primeira sessão o membro familiar que identifica a necessidade de tratamento da família.
– Já nessa sessão será identificado quem precisará vir.
– Frequentemente, podem participar das sessões, desde que previamente acordado, pessoas significativas como: melhor amigo, tios, e até mesmo outros profissionais que estejam prestando algum atendimento à família.

– Não.
– As crises vitais são inerentes à vida, seja no aspecto individual, no casamento ou na família. O que difere, é como elas serão interpretadas por cada um em suas diferentes nuances.
– Aquelas famílias e/ou casais que unem esforços diante de uma crise saem fortalecidas dessa fase, pois buscam explorar suas habilidades para transformar a crise em uma oportunidade de crescimento.
– Esse processo está intimamente relacionado a dois importantes alicerces: a qualidade da resiliência da família (casal) e do indivíduo.